Buscar
  • Élpis

De frente com a El!


Cheguei,
Cheguei chegando, bagunçando a zorra toda...

Avisei vocês que tinha voltado com tudoooooooooo!

Hoje teremos uma entrevista super poética!

Nossa convidada é a Débora Lima e agora vamos saber tudinho sobre ela!

1- Se apresente para nós?

Olá, queridos, meu nome é Débora, sou de Vitória de Santo Antão, uma cidade do interior de Pernambuco, mais conhecida por ser a cidade da Pitu, a Cachaça, mas também a cidade onde nasceu o escritor Osman Lins, inclusive, para quem viu Lisbela e o prisioneiro, embora não tenha sido filmado aqui, porquanto a cidade mudou bastante, parte da estória se passa nos bairros mais antigos e centrais da nossa urbe. Bem, tenho 31 anos, sou mãe de dois lindos meninos, que me trouxeram a doce e maravilhosa experiência da maternidade, casada há doze anos com um homem extraordinário, que tem se dedicado à construção do nosso lar e a me apoiar e sonhar junto comigo, de modo que tem se tornado a inspiração dos meus mais apaixonados poemas. Enfim, sou uma pessoa comum que escrevo para me sentir transbordante, e, de fato, ao escrever, excedo a mim mesma.

2- Quando se descobriu autora?

Quando os pensamentos começaram a se tornar inquietantes demais para permanecerem no fluxo e refluxo da memória... Sempre que eu esquecia as ideias que havia tido, me sentia frustrada, então, percebi que, como disse Picasso, quando a inspiração vier ela tem que me encontrar trabalhando. No mais, sempre amei literatura, sou uma pessoa totalmente embasbacada com o poder que as palavras têm!

3- Quais as expectativas de publicar um livro?

Que alguém leia, esta é a maior das expectativas, é muito difícil ser lido e, por tabela, que goste. É difícil encontrar as pessoas prontas para receber nossa mensagem. Acredito no encontro de almas, acredito que alguém que vier a ler minhas poesias e estórias vai se identificar, se elevar, se encantar com elas de alguma forma. E, como as pessoas em meu entorno, nem sempre têm tempo ou interesse na leitura, precisei buscar um meio de levar minha mensagem a essas almas que, sem saber, esperam por ela. Não vejo a hora desse encontro acontecer!


4- Quais suas ambições?

Continuar escrevendo e ter sempre alguém disposto a ler.

5- Qual seu livro de cabeceira?

Na verdade, uma epístola: Colossenses, escrita por S. Paulo de Tarso, mas, ultimamente ando para lá e para cá, em amores com Cem anos de solidão, cuja leitura estou finalizando pela segunda vez.

6- Uma frase motivacional.

Na verdade, um poema motivacional, do grande Fernando Pessoa, escrito sob o pseudônimo de Ricardo Reis:

Para ser grande, sê inteiro: nada

Teu exagera ou exclui.

Sê todo em cada coisa.

Põe quanto és

No mínimo que fazes.

Assim em cada lago a lua toda

Brilha, porque alta vive.

7- O que o público pode esperar do seu livro?

Amor, sobretudo. Em cada situação de crise, diante do medo, em momentos de descobertas, para vencer desafios, para suportar o inevitável e construir o futuro negociando com o destino: amor, sempre amor.

8- Entre escrever um grande livro cujo tema magoará uma pessoa muito próxima e querida ou jamais escrever um grande livro, o que você escolheria?

Eu escreveria o livro de modo a que a pessoa não soubesse que estou falando dela, dos princípios dela ou dos atos dela. Na verdade, evito por todos os meios legítimos, magoar as pessoas, mas, se a mágoa é fundada no meu direito de defender ideais que visem a um bem maior, que expressem princípios mais elevados, não posso evitar causar a mágoa, mas, farei o possível para que represente transformação e crescimento. Inclusive para a pessoa em questão.

9- Alguma vez você aprendeu algo com uma crítica? Se aprendeu, isso mudou seu jeito de escrever?

Ainda não, estou esperando por isso, e espero de coração aberto.

10- Me realizei quando...

Assinei meu contrato com a Hope.

Ping – Pong

Amor – Filhos

Poesia – Soneto de devoção- Vinicius de Moraes

Vaidade – Querer ser muito inteligente

Sonho – Ser conhecida como escritora

Deus – Tudo

Livros – Luz para a vida

Uma cor – azul

Uma comida – sushi

Um livro – O vermelho e o negro, Stendhal

Deixe um recado para os leitores do nosso blog.

Queridos leitores, é um prazer enorme estar, com minhas palavras, diante de vocês, apresento meu livro inaugural como um presente para o mundo. Crente no poder transformador da poesia, crente de que, quando lemos, nos transportamos a um lugar de sonhos onde podemos vivenciar maravilhas e pensar nossas dores, espero que, de alguma forma, meu livro faça tão bem a vocês, quão bem eu me senti ao escrevê-lo, tudo com vistas ao aprimoramento da nossa humanidade.


O livro da Dé, estará a venda em breve no formato físico e digital.

Fique ligado em nossas redes sociais e não perca nenhuma novidade!

Não deixem de curtir, comentar e compartilhar essa entrevista!

Espero que tenham gostado <3


Beijos sabor álcool em gel!


Élpis


0 visualização

19 99920-5213

©2020 por GRUPO EDITORIAL HOPE.