Sobre encerrar ciclos - Por Raquel Morelli Paixão



Olá, queridos leitores da Editora Hope!

Gostaria de me apresentar: sou Raquel Morelli Paixão, tenho 28 anos e dou aulas de Língua Portuguesa.

Desde muito cedo fui desenvolvendo minha paixão pelas letras, pelas histórias e pelos livros.

Em breve, vocês conhecerão meu romance "Fio Vermelho", cuja ideia está comigo em minha mente há mais de 15 anos!!

Então, hoje, no meu post de estreia, gostaria de promover uma reflexão: como você lida com o encerramento de ciclos? Costuma ser algo tranquilo ou não?

Pois é... Alguns lidam de uma melhor maneira, já outros... Por isso, pensei nesse tema e escrevi sobre ele. Gostaria de saber sua opinião também!

Um abraço carinhoso,

Raquel

E hoje estive pensando sobre o ato de “encerrar ciclos”.

Por mais estranho que pareça, esse é o sentimento mais paradoxal que eu já vivi.

Paradoxal porque, ao mesmo tempo em que rompemos o relacionamento com nossa zona de conforto, tão agradável, temos, assim, a chance de nos tornarmos mais livres.

Em primeiro plano, costumo me lembrar sempre de que a vida é cíclica, constante. Não podemos achar que somos a mesma pessoa que éramos há um ano, pois cada momento de alegria ou de dor nos ajuda a evoluir.

Eu, de fato, estou em uma evolução constante devido ao meu perfeccionismo me dizendo que para estar verdadeiramente em paz, preciso estar conectada comigo mesma em todos os aspectos: saúde física, mental e espiritual.

Nada fácil de conciliar, é claro. Mas necessário. A partir do momento em que a gente se conhece e entende o dinamismo da vida, fica mais fácil aceitar que ciclos antigos não cabem à pessoa nova que somos.

Por isso que ultimamente venho questionando tudo e todos, venho me perguntando sobre o que de fato preciso para ser feliz e, ainda que falte muito para ter todas as respostas, sinto que estou no caminho certo.

Demorou, mas enfim percebi que, para amadurecer, é necessário entender que fechar ciclos é algo que precisa acontecer da forma mais natural possível quanto o momento permite.

Alguns ciclos são fechados com mais paz e consciência tranquila, fechar outros, todavia, costumavam me doer na alma.

Porém, aos poucos, fui percebendo que, assim como uma roupa velha que não fica mais tão legal, há situações que não me servem mais.

Isso não quer dizer que seria ingratidão de minha parte optar por encerrar ciclos, ao contrário, é a mais pura forma de gratidão por ter vivido de forma completa tal momento, tendo ele durando uma semana ou um, dois, dez anos, que seja, e fazendo com que eu pudesse evoluir e agora me sentir pronta para seguir em frente buscando novos desafios.

Então, volto à questão paradoxal sobre encerrar ciclos: você rompe com sua zona de conforto, você sente medo e muitas vezes não sabe o que fazer. Mas, ao mesmo tempo, você se sente livre e leve. O medo aos poucos se transforma em esperança e hoje sei que é com ela que irei caminhar nos meus dias. Hoje, diante das situações externas, ou seja, aquelas que não dependem de mim, entendo que tudo pode ser incerto, todavia tenho dentro de mim a plena convicção de que em meu coração só há gratidão e paz.

Que nossos ciclos sejam encerrados da forma mais linda possível e que estejamos preparados para os novos desafios. Sempre com a mente tranquila e paz no coração.



35 visualizações4 comentários

Posts recentes

Ver tudo